Perfuração de poços artesianos continua beneficiando municípios tocantinenses

por fat publicado 19/10/2017 18h41, última modificação 19/10/2017 18h41
De acordo com o presidente da ATS, Eder Fernandes, o cronograma de perfuração iniciou pelos municípios onde a captação superficial, como em rios e represas, não conseguia atender a demanda populacional.

De acordo com o presidente da ATS, Eder Fernandes, o cronograma de perfuração iniciou pelos municípios onde a captação superficial, como em rios e represas, não conseguia atender a demanda populacional.

“Alguns municípios sofrem há anos com a baixa produção de água, como é o caso de Divinópolis. Outros municípios como Santa Rosa, São Valério, Fátima e Jaú do Tocantins serão atendidos com a perfuração de mais PTPs, por isso, os trabalhos são realizados ininterruptamente para atender a todas estas demandas”, garantiu Eder Fernandes.

Tânia Helena, geóloga da ATS, explica que a solução adotada é a perfuração, mas que em muitos casos, a baixa vazão impede que a quantidade de água seja suficiente para suprir a demanda, sobretudo no período de estiagem.

Em outros casos, a alta concentração de elementos químicos impede o fornecimento de água, por não atender aos padrões de qualidade preconizados pelo Ministério da Saúde.

“Nem sempre, nos pontos locados, é possível encontrar água, como foi o caso de Goianorte e Divinópolis. Por isso, os tipos de formações geológicas nas quais a água subterrânea pode ser encontrada, constituem o objeto de pesquisas detalhado para a utilização eficaz dos recursos hídricos subterrâneos”, explicou a geóloga.

 

FONTE: PORTAL DO TOCANTINS